Voltar

Reino Unido - Envolvimento do público em neurociência, dependência e drogas (2007)

Reino Unido - Envolvimento do público em neurociência, dependência e drogas (2007)

Antecedentes, organizador e participantes

Em 2006, a Academia de Ciências Médicas (AMS) lançou uma investigação independente sobre as questões sociais, de saúde, de segurança e ambientais que haviam sido identificadas num relatório anterior, DrugsFutures 2025?, publicado em 2005.

As atividades de envolvimento do público no DrugsFutures foram realizadas de janeiro a abril de 2007 e envolveram grupos específicos que incluíam pais de crianças com TDAH, estudantes, professores, toxicodependentes e ex-toxicodependentes, idosos, jovens e pessoas com problemas de saúde mental.

Objetivo : Explorar as expetativas e preocupações de uma ampla secção transversal do público sobre questões atuais e futuras relacionadas com a neurociência, a dependência e as drogas.


A questão

O programa de envolvimento do público pretendeu concentrar-se nas áreas em que a dependência, a neurociência e as drogas se sobrepõem, cobrindo os três tipos de drogas identificados no relatório original de antevisão: drogas ilegais e drogas legais 'recreativas', medicamentos para a saúde mental e uma nova categoria de substâncias denominadas "melhoradores da cognição" (“cognition enhancers”), que podem aperfeiçoar o desempenho do cérebro de maneiras específicas, como melhorar a memória de curto prazo ou a rapidez do pensamento.

Foram feitas perguntas específicas com base nos seguintes cenários: as drogas e os jovens, drogas para um cérebro mais inteligente e as drogas e a lei.


Metodologia

A AMS criou um Grupo de Trabalho para apoiar a sua análise, independente das questões sociais, de saúde, segurança e ambiente levantadas pelos progressos científicos em neurociências, dependência e drogas (BSAD). Procurou-se que a composição do Grupo de Trabalho refletisse a diversidade das questões a ser exploradas e incluiu especialistas em epidemiologia, medicina, neurociência, psiquiatria, psicologia, farmacologia, filosofia e direito.

O Grupo de Trabalho consultou organizações relevantes de partes interessadas (por exemplo, cientistas, financiadores de investigação, profissionais de saúde, instituições de beneficência e grupos de pacientes) sobre questões que possam resultar dos desenvolvimentos científicos atuais e futuros nestas matérias.

Houve uma grande diversidade de tipos de eventos, com um lançamento público em Londres (113 participantes), 19 seminários curtos de divulgação (2 horas) (146 participantes) em todo o Reino Unido, 5 seminários regionais em todo o Reino Unido (180 participantes), cada um focado num tópico diferente (por exemplo, direito, saúde mental, etc.) e um Brainbox – duas sessões de dois dias com seis semanas de intervalo para discussões mais aprofundadas, cobrindo todos os cinco tópicos dos seminários regionais (25 participantes). Os eventos de divulgação, alguns dos quais envolveram apresentações de toxicodependentes e ex-toxicodependentes, incluíram a consulta às partes interessadas e, simultaneamente, uma análise por especialistas.


Aspetos a destacar ​​e lições aprendidas

O projeto foi integralmente avaliado. Algumas caraterísticas a destacar ​​sobre o valor para os participantes são referidas abaixo (para mais informações, consulte a avaliação integral do projeto):

  • o processo funcionou bem para os participantes do público. De um modo geral, os entrevistados ficaram muito satisfeitos com o processo e com o modo como foi executado. O processo envolveu as pessoas de forma eficaz;
  • os participantes consideraram o processo muito interessante, informativo e útil. A qualidade das discussões e o interesse e entusiasmo dos participantes foram elevados;
  • os participantes aprenderam algo novo. Muitos também disseram que o seu envolvimento esclareceu a sua forma de pensar e afetou os seus pontos de vista sobre as drogas e os problemas de saúde mental;
  • houve um aumento do entusiasmo pelo envolvimento futuro. Em resultado de terem estado envolvidos neste processo, quase todos os entrevistados se sentiram mais dispostos a envolver-se em discussões sobre questões políticas no futuro. Quase todos os entrevistados também consideraram que era importante envolver o público na discussão deste tipo de questões, e muitos expressaram o desejo de que houvesse mais eventos deste tipo;
  • muitos participantes consideraram importante poderem expressar-se e ser ouvidos pela AMS e acharam que poderiam dar um contributo para as políticas públicas e influenciar decisões futuras.

Impacto

  • uma das prioridades públicas, nomeadamente a necessidade de estudar a dependência como doença, foi escolhida pela AMS e um novo financiamento de 8 milhões de libras foi disponibilizado pelo Conselho de Pesquisa Médica para a realização esse estudo;
  • em julho de 2009, o Conselho Consultivo para o Uso Indevido de Drogas (junto do Ministério da Administração Interna) realizou uma análise detalhada da segurança e regulamentação dos melhoradores da cognição, considerada uma prioridade de investigação pelos participantes do público nesse projeto;
  • o diálogo enriqueceu as informações disponíveis sobre as razões por que algumas intervenções legais sobre o consumo de drogas não funcionam;
  • o diálogo influenciou e melhorou diretamente o relatório final da AMS sobre Neurociência, Dependência e Drogas (Brain Science, Addiction and Drugs - BSAD) enviado ao governo. Os participantes do público puderam constatar o seu contributo para o relatório final.